Aktuelle Themen

Cirurgia plástica - existe beleza ideal e plena”

Médico presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica em Minas Gerais faz um alerta para os limites de se atingir a perfeição por meio de intervenções cirúrgicas e procedimentos estéticos A popularização das redes sociais acabou fazendo com que mais pessoas recorressem às cirurgias plásticas. Isso porque grande parte delas passam longas horas do dia empenhadas em obter a selfie perfeita, com intuito de aumentar o número de seguidores e de likes no Instagram. Além disso, têm acesso a inúmeros aplicativos que permitem afinar o rosto, modificar o queixo e nariz, entre outras funcionalidades. Mas qual o limite para suprir essa insatisfação? Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica em Minas Gerais, dr. Alexandre Meira, deve haver uma conscientização das pessoas sobre o que é viável para elas e o que é uma expectativa inalcançável. “Cada indivíduo tem suas particularidades. Eu não posso falar de beleza como algo linear e único, pois o que fica bem para um paciente não necessariamente é o ideal para outro”, revela. Em conversa com o JORNAL DA CIDADE, o especialista esclarece algumas dúvidas sobre o tema. JORNAL DA CIDADE O boom das selfies contribuiu para o aumento na procura por cirurgias plásticas? Por quê? ALEXANDRE MEIRA Sim. Acreditamos que no mundo globalizado, no qual redes e mídias sociais proliferam de forma desenfreada, a publicação de imagens de pessoas e corpos considerados perfeitos se tornam o desejo de grande parte da população mundial. Muitas vezes, este padrão de beleza passa a ser uma exigência em nosso meio, criando a ideia de que precisamos nos adequar a isso para que sejamos aceitos. Existe uma beleza ideal? Não existe beleza ideal e plena. Ela pertence a cada um e é singular, respeitando a harmonia e características específicas de cada indivíduo. Desta forma, as pessoas que procuram um cirurgião plástico, com desejo de se inspirar em artistas famosos, devem ter muito cuidado. Elas podem estar fadadas ao insucesso dos procedimentos estéticos, na medida em que o resultado sonhado não corresponda a seu próprio biotipo. Quais cuidados os pacientes precisam ter antes de passarem por um procedimento ou cirurgia plástica? E recomendado que esses pacientes tenham uma conversa franca com seu cirurgião plástico. E processo crucial para que essa pessoa saiba sobre as reais possibilidades de tratamentos, além das limitações que possam existir em caso. O indivíduo deve mostrar ao médico seus sonhos e anseios, e ouvir dele quais as reais possibilidades ou não em se atingir o objetivo. Lembrar que absolutamente nenhum resultado de cirurgia ou procedimento estético poderá ser replicado de uma para outra pessoa com absoluta chance de sucesso. Como saber se meu cirurgião plástico é qualificado? O cirurgião plástico desempenha um papel de extrema importância nesses casos. Profissionais que detêm uma formação séria e responsável seu registro de especialidade no Conselho Regional de Medicina (o Registro de Qualificação de Especialista poderá ser pesquisado no site do CRM). Além disso, ele deverá ser associado à Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, uma entidade afiliada da Associação Médica Brasileira, que é a responsável pela formação e titulação do especialista em Cirurgia Plástica. E importante destacar que a Sociedade Brasileira de Dermatologia também é qualificada a fazer procedimentos estéticos minimamente invasivos. Fonte: Jornal da Cidade Alexandre Meira Presidente SBCP-MG

Cirurgia plástica: tema pele

Themen

Pesquisas recentes indicam que permanecer muito tempo sentado aumenta os riscos de ter problemas de saúde   Em casa, durante o trabalho ou se deslocando pela cidade: o tempo que as pessoas passam sentadas é cada vez maior. Os impactos negativos na saúde dos que ficam nessa posição por longos períodos são grandes. Segundo dados do Vigitel 2012, do Ministério da Saúde, apenas 33% da população praticam os 150 minutos mínimos de exercícios semanais recomendados pela OMS – Organização Mundial da Saúde.     No entanto, essa não é uma exclusividade do Brasil. Pesquisa feita em 66 países indicou que 41,5% dos adultos permanecem mais de quatro horas sentados por dia. Outro estudo, conduzido nos EUA com mais de 92 mil mulheres com idades entre 50 e 79 anos, indicou que uma rotina sedentária superior a 11 horas aumenta em o risco de doenças cardiovasculares, coronárias e cânceres em 13%, 27% e 21%, respectivamente.   Estas pesquisam evidenciam ainda mais a importância de ter um cotidiano mais ativo – 30 minutos de atividade física leve fazem enorme diferença e podem diminuir em 50% os riscos de algumas doenças. Estacionar o carro mais longe do trabalho para caminhar um pouco, usar o transporte público ou preferir escadas a elevadores são pequenas atitudes que melhoram a situação de quem tem um estilo de vida sedentário.   E então, o que você está esperando para começar a ter um estilo de vida mais saudável?   Com informações do EmpowHER. Leia o post original aqui (em inglês). Para ver os dados Vigitel 2012, clique aqui.   Crédito das fotos:   1-ScaarAT via Compfight cc 2-moriza via Compfight cc ...
*Por Barbara Younger, no EmpowHER   Durante a montanha-russa da menopausa, caminhar era a salvação para mim. Minhas amigas da academia e eu usávamos a esteira enquanto discutíamos tudo – desde problemas nos relacionamentos, passando por notícias do mundo, até os últimos lançamentos do cinema. Eu também amava caminhar sozinha pela margem do rio Eno, perto de casa, na Carolina do Norte. Aproveitava a solidão enquanto observava as garças e pensava sobre meus projetos. Caminhar, sozinha ou acompanhada, ativava meu corpo e nutria meu espírito naqueles anos.   Mas será que o exercício físico realmente reduz os sintomas físicos da menopausa, como os fogachos, as transpirações noturnas e a insônia?     Alguns estudos dizem que sim e outros afirmam que não há conclusões, mas os exercícios trazem benefícios quando o assunto é melhorar seu humor e reduzir ameaças potenciais à saúde. A Dra. Margery Gass, ex-diretora executiva da North American Menopause Society (NAMS), afirma que “exercícios também ajudam a reduzir os riscos comuns a esta época da vida: doenças do coração, diabetes e osteoporose. Ser sedentário é, para a NAMS, tão ruim quanto ter níveis ruins de colesterol ou risco de doenças cardíacas”.   “Quando você está lutando contra os sintomas da menopausa, como problemas para dormir ou alterações de humor, a última coisa que você quer é sair do sofá”, afirma a escritora Regina Boyle, antes de completar: “Mas fazer uma atividade pode ajudar a aliviar o tédio que você sente hoje e a combater os riscos da pós-menopausa que você pode enfrentar no futuro”, completa Boyle.   Especialistas recomendam que as mulheres participem em três tipos de atividades físicas:   - Exercícios aeróbicos, como caminhar, correr, nadar e dançar; - Treinos de força que aumentem a massa muscular, como levantar pesos, usar faixas de resistência e aparelhos de musculação; - Exercícios que promovam a flexibilidade e o equilíbrio, como yoga e Tai Chi.   E o temido ganho de peso na menopausa? De acordo com o site WebMD, estudos com animais mostram que o estrogênio ajuda a controlar o peso corporal. Com níveis deste hormônio baixos, os animais tendem a comer mais e ser menos ativos fisicamente. A redução do estrogênio também pode desacelerar o metabolismo, diminuindo o ritmo em que o corpo converte energia acumulada em energia utilizada. Os exercícios não apenas queimam calorias e aceleram o metabolismo, mas também amenizam problemas de humor, como a irritabilidade e a ansiedade, que podem levar as pessoas a comerem exageradamente.   Os sintomas emocionais e físicos da menopausa não me afetam mais, mas os exercícios continuam a ser uma parte feliz e revigorante da minha semana. Alguns dias eu luto contra a tentação de ficar no sofá, mas é só amarrar os cadarços dos meus tênis que fico imediatamente pronta para mandar ver. O Dr. Neil Resnick, diretor associado do Instituto de Envelhecimento da Univerisdade de Pittsburgh, afirma: “As pessoas procuram o segredo para uma vida longa e saudável há milênios quando, na verdade, a intervenção mais poderosa é o exercício físico”.   Com informações do EmpowHER. Leia o artigo original aqui. Crédito da imagem: Diabetes Care via Compfight cc ...
Todos sabem que para fazer boas decisões, em qualquer aspecto da vida, é preciso estar bem informado. Ninguém compra uma casa sem saber a metragem, quantos quartos ou banheiros ela tem: os corretores de imóveis escutam perguntas de todos os tipos. E as respostas irão guiar o cliente na hora de tomar a decisão.   Na cirurgia plástica não é diferente. Na verdade, é ainda mais importante. Afinal, você está lidando com sua vida e não há bem mais precioso do que este. Por isso, separamos 10 perguntas básicas para ajudar na hora de conversar o profissional que cuidará da sua operação. Lembre-se que este é apenas um guia, sem caráter definitivo. Adicione as perguntas que achar necessárias e converse bastante com o cirurgião antes de tomar a decisão!     • É membro ativo da SBCP? • Foi treinado especificamente na área de cirurgia plástica? • Quantos anos de treinamento em cirurgia plástica tem? • Em quais hospitais/clínicas atua? • Quantos procedimentos deste tipo já realizou? • Esta cirurgia é adequada para mim? • Como será feita a cirurgia? Onde? • Quanto tempo é o período de recuperação. Que tipo de ajuda precisarei? • Quais são os riscos e complicações associadas ao procedimento? • Como serão contornadas as complicações?   Saiba mais aqui! E então, que outras perguntas você adicionaria? Comente!   db Photography | Demi-Brooke via Compfight cc ...